Autor/a

Activista galego. Membro do Consello Editorial de Altermundo.

banner_consello_peq

Consello Editorial

X. M. Beiras
Marga Tojo
Xavier Simón
Lupe Ces

Xabier Macías
Alfredo I. Diéguez
Cândido Gryzbowski
Rebeca Fernández

David Rodríguez

Miguel A. Fernán Vello
Ana Miranda

Xoán Hermida

Manuel Casal
Antom Fente
Imanol Dorca

Xabier Ron
Tone
Roberto Mansilla

Carme Carballo
Raúl Asegurado
Xoán R. Doldán
Manoel Santos

Categorías

Futebol, política e nacionalismo
Futebol, política e nacionalismo

Recentemente a presidenta da Comunidade de Madrid, Esperanza Aguirre, do Partido Popular (PP) tentou acochar os recortes em educação que lhe custaram mais uma greve [1], o alto deficit da sua comunidade [2] ou o escándalo de Bankia [3] recorrendo ao futebol.

Concretamente despachou-se com gosto sobre a necessidade de celebrar a final da Copa do Rei entre o Barcelona e o Bilbao a porta fechada se se ía assobiar o hino nacional [4] e no mesmo sentido iam as instruções que impediriam o acesso ao estádio de qualquer bandeira que não for a espanhola ou as reconhecidas legalmente [5]. Mais e mais ataques à capacidade de raciocínio da cidadania como as últimas declarações do presidente da Junta da Galiza [6]  Coma sempre, todólogos do mais diverso faziam apologia do espanhol enquanto demandavam que não se misturasse futebol e política.

Perante tal cúmulo de impropérios, meias verdades e cinismo espanholista conviria fazer alguns breves apontamentos de história, para que o leitor poda fazer-se ideia de até onde chega a impostura política e mediática dos nossos dias.

Antes de entrar em matéria queremos lembrar que Rodrigo Rato deveria ser processado como um dos máximos responsáveis da crise económica e social que estamos padecendo. E não nos referimos apenas ao caso de Bankia ou a que foi um dos principais impulsores do boom da construção como ministro de economia de Aznar (PP), mas também ao seu papel no FMI. Em fevereiro de 2011 deu-se a conhecer o informe intitulado "Actuação do FMI na fase prévia da crise económica financeira: a supervisão do FMI em 2004-2007". O devandito informe foi realizado pela Oficina de Avaliação Independente do próprio FMI e que se encarrega de fazer as tarefas de auditoria. Pronto. No momento em que o informe aparece o director gerente do FMI era Dominique Strauss-Kahn [7], embora o trabalho faz referência a quem mandava no organismo previamente: Rodrigo Rato.

Em 54 fólios os auditores entendem que durante esses anos, onde nem se previu nem se atenuou a crise, interactuaram quatro factores que explicam a responsabilidade de Rato não apenas na crise do Estado espanhol, mas também na crise mundial. A saber: deficiências analíticas, obstáculos organizativos, problemas de governo interno (o que os ultraliberais denominam "governança" ou "management"), e limitações políticas. O resultado final destes quatro factores, com incentivos e castigos para evitar qualquer desvirtuação da ortodoxia económica ultraliberal, conflui com o que Paul Krugman tem apontado sobre esta Grande Recessão: os economistas confundiram a beleza, revestida de matemáticas de aspecto imponente, com a verdade. A causa imediata do erro da profissão foi querer fazer uma teologia intelectualmente elegante (ao modo do marxismo estalinista) que o abrangesse tudo e que, aliás, oferecera a oportunidade aos economistas de gabar-se dos seus pincha-carneiros matemáticos, num ridículo comparável ao dos filósofos pitagóricos.

Futebol, política e nacionalismo espanhol

São não poucos os casos  em que resulta manifestamente clara a relação do desporto e a política, relação que no Estado espanhol é especialmente clara no futebol por ser o desporto maioritário entre a cidadania e porque contribui como poucos elementos à configuração da "unidad de destino en lo universal" que segue a ser a nação espanhola para as elites do Reino de Espanha.

No mundial de 1978 o regime de Videla aproveitou a organização da efeméride, que acabou com a vitória na final da Argentina de Mário Kempes sobre Holanda de Johan Cruyff (que não jogou junto a outros companheiros aquele mundial em protesto pelo regime de Videla [8]), como um instrumento de propaganda semelhante às Olimpíadas que o negro Jesse Owem [9] lhe escaralhara a Adolf Hitler e o NSDAP. Por certo, não foi melhor o trato que o corredor recebeu nos EUA dito seja de passagem.

Outra anedota não menos célebre é a protagonizada por Benito Mussolini e a seleção italiana. Sucedeu em 1934, também num mundial. Desta volta o partido celebra-se no estádio "Partido Nacional Fascista" e os árbitros começam o partido com o saúdo fascista. No palco, um radiante Mussolini recebe vítores como Duce dos funcionários do Partido Fascista que ateigam o estádio. A mensagem transmitida ao corpo técnico e ao plantel é clara: "Vencer ou morrer". Se os italianos perdiam a final contra Checoslováquia, o melhor combinado do momento esperava-lhe a morte. Nada nem ninguém podia impedir o emprego do futebol como instrumento de propaganda da superioridade do .

E assim chegamos até o Estado espanhol. Os primeiros registos do futebol no Estado espanhol vêm de 1872, quando os mineiros británicos instalados em Huelva inserem o desporto. Em 1915 começa a jogar amistosos a "Seleção Norte", vindo a tradição do futebol de Donosti na última década do século XIX. Após a sublevação fascista do 18 de julho de 1936, por vontade do lehendakari José António Aguirre, transforma-se na Seleção de Euskadi para recaudar fundos para a causa republicana e no mesmo intre em que se conformava um estado soberano em Euskal Herria. De facto, Euskadi era o Bilbao junto com jogadores bascos doutros clubes que a guerra surpreendera em território republicano. Do Bilbao fora também  o jogador Rafael Moreno Aranzadi, "Pichichi" (1892-1922), interior esquerdo.

Os clubes que encarnaram dentro e fora dos terrenos de jogo a democracia da II República espanhola foram o Barcelona e o Bilbao, precisamente os clubes que agora jogam a final da Copa do Rei e que o espanholismo dos herdeiros da ditadura franquista situam no seu ponto de mira. A seleção de Euskadi começou a sua epopeia na França, jogando contra o Racing de Paris (0-3) ao tempo que a Legião Condor bombardeava Guernika e contra o Olympique de Marselha (1-5). Daí passaram-se a Checoslováquia onde jogaram contra o Praga o 30 de maio de 1937 e contra a seleção desse Estado, a única que derrotou na gira europeia a Euskadi (3-2) e que fora finalista no mundial de Itália de 1934. Daí a equipa passou a Polónia onde derrotou ao Katowice o 8 de junho de 1937 e não pudo confrontar-se em Varsóvia por ações da extrema direita.

De Polónia Euskadi passou a URSS onde teve um recebimento apoteótico e jogou com combinados de repúblicas como Georgia e com muitos dos clubes da URSS. Nesse estado tiveram notícias da caída de Bilbo e passaram-se a Noruega e Dinamarca (onde ganharam 0-11). Daí a equipa Euskadi continuou a gira desde França até México onde jogou a Liga Maior de 1938-1939, onde com uma soa derrota e um empate ficou em segundo lugar. Em Argentina a FIFA declarou os jogadores de Euskadi em rebeldia, ao estarem exilados, e ameaçou-nos com a inabilitação definitiva. A fim da II República espanhola (abril 1939) e da II Grande Guerra (1939-1945) remataram com a equipa, mas a filosofia do Bilbao de contar com apenas jogadores bascos segue intacta e é um caso único no Estado espanhol.

A epopeia do Euskadi, quem o ia dizer, inspirou o emprego do futebol como arma de propaganda para o fascismo de Franco. Cara finais de 1938 fundam o semanário Marca, em que se recolhem os princípios ideológicos e organizativos aplicáveis ao desporto em geral e com especial fincapé no futebol. Hoje o Marca segue a ser um jornal desportivo com uma carga ideológica – e política já que logo- muito importante por mais que tente apresentar-se com neutralidade. Em Marca escrevia um dos autores do hino falangista Cara el Sol, Miquelarena, incidindo sem rubor na necessidade de adaptar o futebol aos novos piares do Estado fascista. Para Miquelarena durante a II República espanhola "el fútbol había sido una orgía roja de las más pequeñas pasiones regionales y de las más viles". Futebol, política e nacionalismo espanhol junguidos da mão.

Durante o franquismo promocionou-se a seleção espanhola, seguindo o exemplo do Euskadi, e ocupou dentro dos clubes um lugar central o Real Madrid, de acordo com o centralismo do novo estado. De facto, o Real Madrid cumpriu o papel de embaixador do regime e dominou o mundo do futebol entre 1956 e 1960 ao tempo que o fascismo espanhol superava o isolacionismo internacional como "centinela de Occidente". Quanto a seleção espanhola é de prever que com o galho da iminente Eurocopa nos volvam falar da "fúria espanhola", que não é outra cousa que um decalco do apodo ainda empregado de "leões" que ganharam os jogadores do Bilbao, e núcleo da seleção Euskadi, pelo seu jogo impetuoso durante a década de 30 [10].

Espero então ter contribuído a dar uma útil vacina a próxima vez que alguém assalte ao leitor com que "não se pode misturar futebol e política", máxime numa competição que recebe o nome de Copa do Rei e que vai indubitavelmente associada com a monarquia [11].

NOTAS AO TEXTO
[1] "Sindicatos hacen un llamamiento a secundar en Madrid la huelga de Educación, que afecta a casi un millón de alumnos" em Que!: http://www.que.es/madrid/201205211705-sindicatos-hacen-llamamiento-secundar-madrid-epi.html
[2] "El déficit de la Comunidad de Madrid en 2011 duplicó el anunciado" em CincoDías
: http://www.cincodias.com/articulo/economia/deficit-comunidad-madrid-2011-duplico-anunciado/20120518cdscdseco_8/
[3] "Bankia insiste en que no devolverá los 19.000 millones al Estado" em Público.es
: http://www.publico.es/espana/434704/bankia-insiste-en-que-no-devolvera-los-19-000-millones-al-estado
[4] "Esperanza Aguirre pide suspender la final de Copa si se pita al himno" em Marca.es: http://www.marca.com/2012/05/22/futbol/copa_rey/1337674847.html?a=7801c151064f9a096451c44d76e68b30&t=1338243293
[5] "Órdenes sin precedentes a la policía: Ni banderas republicanas ni de ultraderecha, ni senyeras esteladas, ni elefantes, ni Urdangarín, registros de mochilas y cacheos en el estadio" em El Confidencial
: http://www.elconfidencialdigital.com/seguridad/074960/ordenes-sin-precedentes-a-la-policia-ni-banderas-republicanas-ni-de-ultraderecha-ni-senyeras-esteladas-ni-elefantes-ni-urdangarin-registros-de-mochilas-y-cacheos-en-el-estadio
[6] "Feijóo sostiene que "darle la comida y hacer la cama" a un paciente "no es Sanidad" em EuropaPress
: http://www.europapress.es/galicia/noticia-feijoo-sostiene-darle-comida-hacer-cama-paciente-no-sanidad-20120527131510.html
[7] Ignacio Ramonet (2011): "Unha esquerda descarriada" em http://revoltairmandinha.blogspot.com.es/2011/07/unha-esquerda-descarriada.html
[8] http://es.wikipedia.org/wiki/Johan_Cruyff#Con_la_selecci.C3.B3n_nacional
[9] http://gl.wikipedia.org/wiki/Jesse_Owens
[10] Para a segunda parte do artigo foi-me de especial ajuda o artigo de Ramón Chao publicado no número 199 de Le Monde Diplomatique en español
e intitulado "La gesta de la Selección de Euskadi" (página 27).
[11] Um outro exemplo de futebol, política e nacionalismo espanhol é o seguinte vídeo que pretende vender a ideologia espanholista sob a cobertura da "neutralidade" da nação espanhola perante o independentismo basco e catalão: http://www.youtube.com/watch?v=DT8VqD3E0Nk&feature=youtu.be. Também a tentativa da TVE, canle pública sufragada com os quartos de todos os cidadãos do Estado espanhol -também os que somos independentistas-, de ocultar os assobios ao hino de Espanha: http://ecodiario.eleconomista.es/futbol/noticias/3995706/05/12/8/Video-TVE-trata-de-ocultar-la-pitada-al-himno-en-la-Final-de-Copa-del-Rey-.html

fente_antom

Share
 
Courte en longue robe avant, remplissage en couches blanc voile de dentelle, et noir arc taille exagérée entrent en collision les uns avec les autres un nouveau sens de la beauté. Robe De Mariée Ce ne regarde pas des combinaisons particulièrement familières? Anpassade festklänningar webbutik, skräddarsydd för billigt. Style är också särskilt hög. Jag hoppas du gillar, vi tar en titt på de nya 2016 festklänningar festklänningar men också en antydan av modeller bär spets festklänningar känsla Balklänning Robe De Mariée Robe De Mariée Balklänning